Blog

6 Factos que Não Sabe sobre os Vinhos do Porto e Douro

voltar

As curiosidades mais desconhecidas sobre os Vinhos mais famosos!

Sofia Ferreirinho

Sofia Ferreirinho

Email

Descobrimos o mundo há séculos atrás. Descobrimos novas terras, novos povos, novas culturas. Mas também dentro do nosso pequeno país descobrimos coisas maravilhosas que não só pertencem agora ao nosso Património (material ou imaterial), como acabaram por fazer parte do orgulhoso ADN português. E um desses tesouros que criámos e, posteriormente, espalhámos pelo mundo foram os digníssimos Vinhos caraterísticos do Douro.

O que lhe propomos agora é descobrir as riquezas vinícolas desta região, em 6 factos que, certamente, não sabia sobre estes deliciosos néctares!

 

As Características Mais Peculiares do Vinho do Porto!

Falando especificamente do Vinho do Porto, há ainda quem pense que este néctar é só adocicado. Mas, na verdade, pode apresentar variações, desde o muito doce até ao extrasseco. Esta diferença resulta numa opção no processo de fabrico, condicionada pelo momento de interrupção da fermentação.

Com uma alargada paleta de cores (a variar entre o retinto e o alourado-claro, incluindo as tonalidades intermédias), uma persistência de aromas, sabores e doçuras, um processo de produção diferenciado e um tipo e tempo diferente de envelhecimento, o Vinho do Porto reúne caraterísticas especiais, que o distinguem e classificam.

Vinho do Porto Ruby: elaborado com saborosas uvas tintas e normalmente sem ano de colheita, possui uma cor robusta que lhe dá o nome. Permanece dois a três anos em pipas de carvalho, onde envelhece sossegadamente. Encorpado e frutado, é um vinho jovem, fortificado, com sabores a tender para as ameixas e os frutos silvestres, mantendo as suas caraterísticas originais por muito tempo.

Vinho do Porto Tawny: são utilizadas a qualidade das uvas do Porto Ruby e o processo de envelhecimento é idêntico: dois a três anos em pipas de carvalho. Após este tempo de amadurecimento, segue para barricas de carvalho, dando-lhe maior contacto com a madeira e com o oxigênio. A sua cor é mais âmbar, com sabores mais adocicados e suaves, que se aproximam muito das amêndoas, nozes e outros frutos secos.

Vinho do Porto Branco: este é uma agradável surpresa. Produzido exclusivamente de uvas brancas, vindo a adquirir, ao longo dos anos, uma tonalidade alourada. Passando pelo carvalho durante dois ou três ano, são vinhos jovens e frutados, maioritariamente do agrado de um público mais feminino, podendo ser encontrados doces ou secos.

Vinho do Porto LBV (ou Late Bottled Vintage): quase, quase a chegar aos primorosos Vintages, mas ainda na categoria inferior, encontramos estes vinhos produzidos a partir de uma colheita excecionalmente boa. Mantêm algumas caraterísticas dos Vinhos Ruby, nomeadamente na sua cor avermelhada e no sabor frutado e forte que sentimos. Passando por madeira por um período de quatro a seis anos, estes néctares distinguem-se pela evolução, intensa coloração, taninos e juventude. Vinhos de digníssima qualidade, os LBV acabam por evoluir pouco em garrafa.

Vinho do Porto Vintage: aquelas garrafas que, bem envelhecidas, chegam a custar uns poucos milhares de euros. Antigamente, todas as famílias mais nobres da Europa se orgulhavam e ter (pelo menos) uma desta garrafa, sendo um dos vinhos mais famosos do mundo. Obtido a partir de uma única colheita é produzido com uvas selecionadas, conferindo-lhe uma qualidade sem igual. A sua principal caraterística é que envelhece na garrafa, de forma lenta, pós um amadurecimento de dois anos em madeira. Ao beber este néctar dos Deuses, sente-se um saboroso aroma frutado e floral, com um cheiro intenso e uma cor intensa e bem agradável.

 

Uma Honrosa Seleção de Castas!

A região do Douro é única pelas suas paisagens e belíssimo Rio Douro, mas também pela sua riqueza. Não falamos de ouro ou dos mais caros diamantes, mas da diversidade e qualidade das suas castas tradicionais.

São cerca de 30 as variedades de uva que podem ser usadas na produção do Vinho do Porto, embora sejam mais comumente usadas nas vinhas mais modernas uma seleção de cinco a seis castas de alta qualidade, com vasta reputação na produção dos melhores vinhos.

Com a obrigação de que todas as castas utilizadas sejam oriundas da Região Demarcada do Douro, as castas tintas mais utilizadas são a Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Barroca e Tinta Cão (ou Tinto Cão). Já nos brancos, a variada de uvas mais frequentemente escolhida é a Malvasia Fina, Gouveio, Viosinho, Códega e Malvasia Rei.

 

Teor Alcoólico. Sim, Temos Mesmo de Falar Sobre Este Assunto!

Sabemos que beber Vinho do Porto é uma experiência incrível e que é difícil parar de beber este delicioso néctar, mas aconselhamos prudência. Isto porque os Vinhos do Porto possuem um elevado teor alcoólico. Sabe qual é?

Geralmente situa-se entre os 19% e os 22%, pelo que deve beber com moderação. Nós sabemos o truque: aprecie cada gole sossegada e demoradamente. E se for na companhia de amigos… ainda melhor!

 

É em Vila Nova de Gaia que o Vinho do Porto Envelhece!

A primeira premissa errada é pensar que o Vinho do Porto é produzido e envelhecido no famoso Vale do Douro. Efetivamente, aí situam-se as várias vinhas, adegas e lagares responsáveis pela produção deste magnífico néctar. Terminado este processo, ele é enviado para o litoral, onde vai envelhecer junto ao mar.

Se antes o transporte era feito em Barcos Rabelos, num percurso perigoso pelo então enfurecido Rio Douro, hoje em dia a maior quantidade é já transportada por caminhos-de-ferro. Assim, chega o afamado vinho a Vila Nova de Gaia – e não ao Porto, o segundo comum e errado pensamento – onde o esperam vários anos de envelhecimento, consoante o tipo de Vinho do Porto.

Ali repousa 10, 20, 30 anos… o tempo necessário para que cada vinho atinja o seu ponto exato de maturação. A proximidade marítima, a humidade e a pouca luz, criam um ambiente natural e ideal para ali adormecer e perder-se no tempo, em tuneis, pipas e balseiros.

 

Os Melhores Vinhos do Mundo Não São Só os Vinhos do Porto!

Sim, o Vinho do Porto é o mais famoso vinho mundial, contando com uma história secular. Foi, desde cedo, exportado para o mundo e começou a ganhar cada vez mais fãs a cada ano que passava. Hoje em dia, são milhares os amantes de vinho que acorrem à região do Douro para provar os mais deliciosos Vinhos do Porto, exatamente no lugar onde são produzidos: em plenas “Quintas” durienses.

No entanto, nem só de Vinho do Porto vive o Douro. Os Vinhos DOC Douro são, hoje me dia, alvo de muita curiosidade e colecionam adeptos em todo o mundo. Tendo já arrebatado os mais interessantes e renomados prémios da modalidade, como as distinções na rigorosa lista vínica da Wine Spectator, só no espaço de uma década, as vendas de vinhos tranquilos (não fortificado) com a denominação de origem Douro mais que duplicaram.

 

Quem Controla a Qualidade dos Vinhos do Porto e Douro?

A qualidade destes vinhos é certificada por uma entidade pública, o Instituto dos Vinhos do Douro e Porto IP (IVDP). A sua sede localiza-se no centro histórico da cidade do Porto (na Rua Ferreira Borges) e e é responsável pela certificação e fiscalização da denominação de origem “Porto” e “Douro”. O IVDP tem, igualmente, o objetivo de promover a defesa da qualidade e quantidade dos vinhos do Porto e a sua internacionalização.

E agora que já passeou por 6 interessantes factos sobre os Vinhos do Porto e Douro, é tempo de lhes render uma homenagem. Descubra estes néctares dos deuses, tão orgulhosamente portugueses, desfrutando de um magnífico programa pelo Douro. Assim, sugerimos que escolha uma das duas rotas vinhateiras disponível: Douro Encantado ou Rota do Douro Vinhateiro, ambos os programas de 3 dias e repletos de experiências típicas e da melhor Gastronomia da Região!

Sofia Ferreirinho

Sofia Ferreirinho

Email
Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao visitar o site está a consentir a sua utilização.
Conheça as nossas Políticas de Privacidade e Cookies aqui